Dia Mundial Sem Tabaco: O Tabagismo te aprisiona e a atitude te liberta

Secretaria de Saúde realiza diversas atividades para a Campanha do Dia Mundial sem Tabaco, que esse ano tem como tema a proteção das crianças

O caminhar da sociedade rumo a um futuro mais saudável é notável, até para o observador mais leigo, mas a sombra esfumaçada do tabagismo permanece persistente; um dos principais desafios da saúde pública no mundo todo. O Dia Mundial Sem Tabaco, comemorado no dia 31 de maio, foi instituído em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para combater o vício responsável por mais 8 milhões de mortes por ano no mundo, dentre essas, 200 mil só no Brasil, com a média de 400 por dia. A data também visa alertar sobre as diversas doenças que podem ser causadas pelo uso do tabaco. 

O tema deste ano é sobre a “Proteção das Crianças contra a interferência da indústria do tabaco”, algo que, ao analisar a conjuntura dos fatos, se torna nítida a necessidade de ser discutido, visto que os jovens e adolescentes são os maiores alvos da indústria do tabaco, que utilizam proveitosamente a imagem do cigarro de “fruto proibido” e estimulam o desejo do jovem de “transgredir”. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), pesquisas em diversos países consistentemente demonstram que crianças com idades entre 13 e 15 anos estão utilizando produtos de tabaco e nicotina.

A campanha de 2024 pretende alertar governos, formadores de opinião, pais e responsáveis sobre as estratégias adotadas pela indústria do tabaco para atrair novos consumidores, e principalmente avançar em medidas que protejam a infância e a adolescência da atratividade e do apelo da indústria do tabaco ao consumo de seus produtos. Deve também progredir o debate das estratégias de marketing que as empresas de cigarro utilizam, que vão desde embalagens mais sofisticadas e utilização de aditivos que configuram sabores agradáveis e mascaram o odor do produto.  

O objetivo da indústria do tabaco desde sempre foi tornar o usuário dependente de seus produtos, e no Brasil, a maioria dos fumantes adultos iniciou o consumo de tabaco antes dos 19 anos, ou seja, se tornaram dependentes ainda na adolescência. Essa realidade torna o tabagismo comparável a uma doença pediátrica, que exige medidas de proteção desde a infância. Além disso, o tabaco é a segunda droga mais consumida entre os estudantes, logo depois do álcool, levando estudiosos a considerarem ambas como a verdadeira porta de entrada para drogas ilícitas. 

O perigo escondido nos cigarros eletrônicos

Os novos produtos do mercado tabagista têm justamente como público alvo os mais jovens. Os cigarros eletrônicos, também chamados “vapes” ou “pod” são a nova sensação da juventude, possuem embalagens diversificadas, com aparência moderna e desenhos coloridos. Além dos mais variados modelos com visuais tecnológicos, os “pods” apresentam uma gama de aromas e sabores variados. Produtos que evidentemente são produzidos para atrair adolescentes com facilidade. 

Os chamados formalmente de Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs), são dispositivos alimentados por bateria que liberam um aerossol que pode ou não conter nicotina. Alguns argumentam dizendo que o cigarro eletrônico pode ajudar o tabagista a diminuir os riscos e a superar o vício, essa impressão, segundo especialistas, se deve ao fato do pouco tempo de circulação do produto, mesmo já tendo demonstrado potencial de risco com a Evali (Lesão pulmonar causada pelas substâncias presentes nos vapes).  

No futuro você terá desejado ter parado hoje

Para o fumante, o cigarro começa como uma válvula de escape, e evolui progressivamente até se tornar quase uma necessidade, o estresse do dia-a-dia é aliviado com a queda de pressão causada pela nicotina, além do estímulo à produção de dopamina. Esse “combo” torna o cigarro a substância perfeita para o uso durante o trabalho, as “pausas para fumar” são uma evidência nítida da dependência extrema causada pelo cigarro, considerado uma das drogas mais viciantes e mais difíceis de largar.    

Durante muitos anos, o cigarro foi normalizado na sociedade, em outros tempos discutia-se o uso recorrente do tabaco como um hábito comum e com poucos malefícios. Hoje, com uma compreensão maior sobre a nicotina, princípio ativo presente no tabaco, e das mais de 4700 toxinas diferentes liberadas pela fumaça, sabe-se que o fumo cotidiano pode causar mais de 50 doenças diferentes; doenças cardiovasculares, respiratórias, diversos tipos de câncer e até impotência. Além disso, um fumante tem uma chance 5x maior de sofrer infarto, 5x maior de sofrer de bronquite crônica e enfisema pulmonar, além do risco dobrado de sofrer derrame cerebral.

Até o fumo passivo recorrente, isto é, estar perto de um fumante durante o uso, não só é nocivo como provoca mortes, cerca de 1,2 milhão das mortes pelo tabaco é resultado de não-fumantes expostos ao fumo passivo. As crianças, especialmente as mais novas, são as mais prejudicadas, já que respiram a fumaça mais rapidamente e estão sujeitas às mesmas doenças que um fumante ativo.

Um dos cânceres causados pelo tabagismo é o câncer de boca, um dos que mais preocupa os odontologistas. O motivo por trás dessa preocupação é em como a doença pode ser silenciosa, os aspectos iniciais são lesões assintomáticas que podem facilmente ser confundidas com aftas, isso torna a doença “ignorável” e pode evoluir para úlceras que não cicatrizam, dor, sangramentos e outros. Em estágios avançados os danos são críticos, comprometimento dos nervos cranianos, perda dos dentes, dificuldade para abrir a boca e engolir e muitos outros. Nesses estágios o câncer já se vê incurável, o diagnóstico tardio leva aos altos índices de mortalidade pela doença.

Semana Sem tabaco em Iguaba Grande

Para proteger as futuras gerações e garantir que o uso de tabaco continue a diminuir, a Organização Mundial da Saúde (OMS) dedicará o Dia Mundial Sem Tabaco deste ano à proteção das crianças contra a interferência da indústria do tabaco. Para incentivar a população a refletir sobre o tema, a Prefeitura de Iguaba Grande, por meio da secretaria de Saúde e a Coordenação do Programa de controle do Tabagismo, promoveu diversas atividades visando levar informação aos moradores da cidade. 

Os eventos começaram na semana, do dia 20 a 24, com rodas de conversa em todas as UBSs, distribuição de material informativo e fôlderes educativos visando conscientizar a população sobre o grande tema “Proteção das Crianças contra a interferência da indústria do tabaco”.  E não para por aí, no dia 24, das 9h às 12h, na cidade do idoso, foram ofertados testes, avaliações, orientações e solicitações de exame, caso necessário, visando a promoção da saúde. Para finalizar, no dia 28 foi realizada a 2ª caminhada “Todos pela Saúde” na trilha ecológica com os usuários da academia da saúde, das 8h às 11h.

Se você é fumante e tem interesse em iniciar uma jornada contra o cigarro, procure a sua Unidade Básica de Saúde (UBS) de referência.

 

Escrita pelo Jovem Aprendiz Yan Freire Moreira Arôxa

Galeria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *