Dia: 27 de novembro de 2018

Cenecista reafirma compromisso com a Educação de Iguaba Grande

Contrato que cede local da instituição para a E. M. Therezinha Pedrosa é prolongado

A Prefeita Grasiella Magalhães recebeu em seu gabinete ontem, dia 26, o Presidente do Cenecista, Dr. Alexandre Santos, que reafirmou o compromisso da instituição com a Educação de Iguaba Grande, ampliando o contrato que cede o local para a Escola Municipal Therezinha Pedrosa, localizada no centro da cidade.

Dentre os projetos debatidos na reunião, está o início do ensino superior à distância disponibilizado pelo ensino privado do Cenecista que, segundo Dr. Alexandre, são os mais procurados. “A faculdade do futuro são os cursos híbridos, com o ensino a distância o aluno aprende mais”, declarou o Presidente do Cenecista, instituição que conta com 18 cursos de ensino superior. “Por meio deste acordo, daremos os primeiros passos para um núcleo de educação com atividades sociais, sendo ponto de ensino à distância e curso de formação”, concluiu o Presidente.

A Prefeita Grasiella colocou em pauta a parceria entre a Prefeitura e a instituição para a realização de cursos direcionados na qualificação dos funcionários. Além disso, Grasiella solicitou o início do projeto para pré-vestibular gratuito. “O aluno sai do Ensino Médio, parte para o vestibular e vai ter a oportunidade de fazer um pré-vestibular oferecido pelo município para se preparar”, disse Grasiella, que recebeu o apoio Dr. Alexandre Santos, se comprometendo em realizar o projeto, com início previsto para março de 2019.

Texto: Lívia Lisle

Fotos: José Carlos Rodrigues

Alunos da Escola Municipal Therezinha Pedrosa receberam medalha por destaque no IDEB

No ano de 2017, Iguaba conquistou o segundo melhor resultado da Região dos Lagos

Os estudantes da Escola Municipal Therezinha Pedrosa receberam, na manha desta terça-feira (27) medalhas da diretora Danielle Corrêa pelo ótimo desempenho nas notas individuais e nas médias gerais no ano de 2017, de acordo com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB),o indicador que avalia a qualidade da Educação que é oferecida em cada município, pelo Ministério da Educação (MEC). Na ocasião, a Prefeita Grasiella Magalhães estava presente prestigiando a premiação, juntamente com o Secretário de Educação, Cultura e Esporte.

A Escola Municipal Therezinha Pedrosa obteve destaque nas notas individuais, mantendo o resultado de 7.2, com a soma das notas da Prova Brasil, de média de 237,3 em Língua portuguesa e 264,2 em Matemática. O município teve o segundo melhor resultado na Região e o sexto melhor em todo o Estado do Rio de Janeiro, na classificação de 5° ano. Nos resultados do 9° ano, Iguaba ficou em terceiro lugar na Região dos Lagos.
A Prefeita Grasiella Magalhães enalteceu a equipe, os estudantes e a família. “Os nossos alunos são fundamentais e a ajuda dos pais é primordial; Eles que sustentam os pilares da educação. A gente vai ajudando, mas, nada vale trabalhar várias horas se em casa tudo se perder. Esse resultado, também, é o reflexo da valorização que vocês dão aos professores”, ressaltou a Prefeita.

O Secretário de Educação, Fred de Carvalho, destacou que para os próximos anos o objetivo é investir para conquistar melhores resultados, e que a garantia desse trabalho é a valorização que os pais dão à escola. “A escola é uma ferramenta essencial na formação. Se o resultado foi positivo agradecemos aos pais, principalmente, porque vocês acreditaram na escola. Nós fazemos o melhor que podemos, com toda estrutura que podemos oferecer”, disse o Secretário.

Fred aproveitou o momento para agradecer a equipe técnica do Therezinha Pedrosa e a Sheila Atalla, que antecedeu a administração na Secretaria de Educação, Cultura e Esporte e deixou um legado. “O IDEB foi uma herança que a Sheila Atalla, nos deixou. Hoje desfrutamos um pouco do trabalho que foi feito por ela”, concluiu o Secretário de Educação.

A manhã foi marcada de alegria e satisfação, que era nítido no semblante dos alunos, pais, professores e funcionários. “É muita emoção porque nós nos esforçamos muito”, falou o aluno Thiago Vianna. Sua mãe, Cláudia Vianna, falou do seu entusiasmo pelo destaque do filho nas notas. “Eu fico muito feliz e orgulhosa porque a vida escolar dele foi sempre aqui e eu tenho muito orgulho de fazer parte dessa família”, disse Cláudia.

Em seu discurso, a Diretora da escola, Danielle Corrêa evidenciou o trabalho de todos os profissionais e colaboradores. “Toda essa conquista foi empenho dos alunos em parceria dos responsáveis e de toda a equipe dos professores, funcionários da escola, pessoal de apoio e cozinha. Não é mérito de apenas uma pessoa, isso se dá pelo trabalho em conjunto”, destacou Danielle.

 

 

 

 

 

Texto: Lívia Lisle

Fotos: José Carlos Rodrigues

Prefeita visita Escolas Municipais para entrega de Caderno de Receitas

Iguaba Grande foi o único Município selecionado pela Baixada Litorânea

 

Nesta manhã, a Prefeita Grasiella Magalhães entregou o “Caderno de Receitas Regionais dos Avós” as duas alunas vencedoras do município, nas Escolas Municipais Nerea Esther Batista Alcoforado Natividade (NEBAN) e Therezinha Pedrosa.

 

O Caderno de Receitas é um projeto da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, através da Àrea Técnica de Alimentação e Nutrição (ATAN) e do Programa de Saúde do Idoso, que reuniu 41 receitas entre as Escolas Municipais de todo o Estado. As receitas selecionadas foram “Sola” da aluna Letícia Amanda da escola Therezinha Pedrosa e a “Galinha Caipira com Aipim” da Aluna Isabela Félix, da Escola Municipal Paulino Pinto Pinheiro Filho, que agora estuda no NEBAN.  Mayra Pereira, mãe da Isabela ficou feliz com a notícia: “Estou muito orgulhosa, é muito gratificante pra gente”, revelou Mayra.

 

A coordenadora da ATAN de Iguaba Grande, Horjana de Oliveira, afirma a importância do projeto para os alunos.  “Com a correria do dia-a-dia, a nossa alimentação tem sido cada vez mais prática e não está tão saudável como na época das nossas avós. Com esse concurso é possível promover o contato das crianças com os avós ou familiares, e resgatar essa cultura da região”, afirmou a coordenadora.

 

Segundo a aluna Letícia Amanda, o apoio de todos foi fundamental para que tivesse essa conquista. “Em primeiro lugar quero agradecer a professora Marinete da Cunha que me ajudou a escrever essa receita, ao apoio de toda a escola, da minha família e meus amigos. Gostei muito de ter ficado em primeiro lugar, estou muito feliz”, destacou.

 

O pai da Letícia, Paulo Tavares, afirma que ficou muito orgulhoso com a conquista. “Fiquei muito feliz pela vitória dela e desejo que ela continue fazendo sempre o melhor para alcançar os seus objetivos”, concluiu.

 

Texto e Fotos: Júlya Costa

 

CRAS de Iguaba Grande inaugura Árvore dos Sonhos

Evento contou com apresentação da Banda do CRAS

 

O Centro de Referência a Assistência Social (CRAS) Apolo Belizário realizou ontem, juntamente com a comunidade local, a inauguração da Árvore dos Sonhos, localizada na Praça do Vila Nova, que é o símbolo de uma construção de atividades realizadas no I Projeto de Ciranda Literária do Serviço de Convivência e Fortalecimento de vínculos (SCFV).

Durante a atividade, os alunos amarraram uma placa, intitulando a “Árvore dos Sonhos” e dois grupos realizaram apresentações com as bandinhas do CRAS.

 

Para a coordenadora do CRAS, Karina Miranda, é fundamental essa parceria com a comunidade. “É muito gratificante passar por essa experiência com as crianças e adolescentes, e além de tudo poder partilhar todas as atividades com a comunidade. Não tem preço ver essa alegria deles”, afirmou Karina.

Texto: Júlya Costa

Foto: Divulgação

Cultura de Iguaba Grande realiza exposição alusiva à Consciência Negra

A mostra contou com exibição de obras dos artistas plásticos Índio e Dawson Nascimento

A Subsecretaria de Cultura de Iguaba Grande realizou nesta segunda-feira (26) a exposição “O preto colorido” referente à Consciência Negra, que recebeu a visitação de professores, inspetores e alunos do EJA – Educação de Jovens e Adultos, da Escola Municipal Nerea Esther Natividade.

O evento teve destaque para as bonecas africanas de material reciclável do artista plástico Arnaldo Manoel de Lima, mais conhecido como Índio, que também foram expostas na Feira Reciclarte. Índio é natural do Rio de Janeiro e mora em Iguaba Grande há 20 anos, no bairro Parque Tamariz. Segundo ele, suas obras foram influenciadas pela sua origem e história de resistência dos negros: “Minhas obras expressam a época da escravidão através da matéria prima que eu recolho. Com isso, eu transformo essas histórias em realidade com objetivos abandonados, como as bonecas, o retalho, a madeira. Eu tento criar através das minhas ideias o retrato do passado”, destacou Índio.

Além disso, compôs a exposição as portas entalhadas do artista plástico Dawson Nascimento e objetos da época da escravidão. Para complementar a noite, os presentes assistiram o Documentário “Ibiri – Tua boca fala por nós”, que conta a história das irmãs Conceição da Silva, moradoras de Iguaba Grande, que seguem a vida com as tradições herdadas de seus antepassados escravizados no Congo do século XIX. A abertura da exposição contou com a participação do Coordenador do Centro de Memórias da cidade, Elias Marinho, que cantou o fado “Mãe preta”.

Durante o evento, o Subsecretário de Cultura, João Gabriel, destacou alguns pontos do tempo da escravidão e falou sobre a idealização da mostra.  “A nossa ideia em relação ao dia 20 de novembro é de demonstrar que todos os dias são nossos. Mas é importante termos uma data para relembrar, trazendo uma consciência e a junção de todas as cores. É um trabalho que a gente procura fazer de uma forma leve que a arte nos proporciona”, disse o Subsecretário.

Os alunos do EJA prestigiaram toda a mostra e apresentações. “A exposição está maravilhosa. É muito bom conhecer um pouco mais desta história de resistência”, declarou a aluna Vitória Cardoso.

 

Texto: Lívia Lisle

Fotos: José Carlos Rodrigues

I Festival Inclusivo de Capoeira da Região dos Lagos aconteceu em Iguaba Grande

Evento contou com graduação dos alunos e apresentações

O Grupo de Capoeira Muzenza realizou o I Festival Inclusivo de Capoeira da Região dos Lagos que reuniu as instituições da APAE na Quadra Poliesportiva Oswaldo Antunes Neves, no Boa Vista. O evento contou com a Graduação dos alunos, premiação dos mestres visitantes, samba de roda e maculelê, que são atividades que fazem parte da capoeira, além disso, o grupo da Associação Cultura em Foco presenteou autoridades com seus artesanatos.

O Grupo é coordenado pelo Mestre Curumin, que é capoeirista há 25 anos e trabalha em Iguaba Grande com inclusão há 10 anos. Hoje possui mais de 60 alunos de 4 núcleos espalhados pelos municípios.

O Mestre Curumim afirma que a Capoeira é importante para o desenvolvimento dos alunos. “Eu trabalho a capoeira como forma de terapia, onde o aluno especial passa a adquirir um condicionamento físico, equilíbrio, habilidades, reflexos e isso desenvolve a formação deles, porque sem o esporte eles ficam meio parados, e a capoeira estimula eles a desenvolverem”, afirmou o mestre.

Ele também destaca o interesse dos alunos com a atividade. “As pessoas pensam que eles estão ali para passar tempo, mas eles levam isso muito a sério. Hoje temos o primeiro mestre com Síndrome de Down em São Paulo, então eles treinam e se dedicam para um dia se tornarem professores de capoeira, e a gente precisa deixar e incentivar”, concluiu.

A aluna Kelli Pereira de 25 anos, afirma que quer permanecer na capoeira por muito tempo. “Eu amo capoeira e faço de tudo para estar sempre aqui com eles. Tenho muito orgulho de ser capoeirista”.

 

 

Texto e fotos: Julya Costa

Escolas Municipais promovem culminância sobre Consciência Negra

Evento reuniu apresentações artísticas e exposição dos trabalhos dos alunos

No último sábado, as Escolas Municipais de Iguaba Grande realizaram uma culminância dos trabalhos sobre Consciência Negra. Durante os eventos, aconteceram peças teatrais, apresentações de dança, desfiles e exposições dos trabalhos realizados pelos alunos.

As atividades aconteceram em todas as Escolas Municipais, exceto na E. M. Alice Canellas, que realizou olimpíada de Matemática em outra data. As escolas reuniram questões fundamentais a respeito da importância dos negros na construção da história do povo brasileiro. Durante todo o mês de novembro foram realizadas apresentações e exposições de trabalhos com o objetivo de valorizar a cultura afro.

De acordo com a diretora da Escola Municipal Ernestina Soares de Azevedo, Rebeca Monteiro, a escola trabalhou a alimentação, a arte e a história do livro “Menina Bonita do laço de fita”. “Nós decidimos trabalhar a questão da arte da cultura afro, por isso que a gente trouxe a roda de capoeira, os animais africanos, os pratos típicos dessa cultura e o livro que foi trabalhado em sala com os alunos”, afirmou a diretora.

A capoeira foi trabalhada com a professora extra-classe Evellyn da Conceição, que também dá aula na Escolinha de Capoeira Arte Brasileira, que atualmente utiliza um espaço cedido pela Escola Paulino Pinto Pinheiro. “É importante trabalhar a difusão do conhecimento da nossa cultura, que por vezes é esquecida ou não é reconhecida. Muitas crianças, hoje, não têm acesso a essa atividade tão importante, que traz a dança, a musicalidade, a expressão corporal, e acima de tudo a cultura de um povo”, destacou.

Na escola Paulino Pinto Pinheiro, além de uma peça realizada pelos funcionários, também aconteceu apresentações dos alunos e exposição dos trabalhos realizados em sala. A Carla Fernandes, mãe da Rafaella Nicolly de 6 anos afirma que a filha se dedicou para esse trabalho e para ela foi muito importante.  “É bom porque ela se socializa e não tem essa questão de preconceito, de ser branco ou preto. Quero deixar esse ensinamento à ela, que todo mundo é igual”.

 

A Escola Therezinha Pedrosa, também realizou diversas atividades, como uma apresentação com os alunos inclusos, uma peça com o segundo segmento falando sobre a história da áfrica, além de um desfile com as alunas destacando os traços da cultura negra na moda. Para a diretora Danielle Corrêa é fundamental trabalhar esse assunto com os alunos. “O objetivo da escola nesse evento é promover os valores, promover essa ação participativa e cidadã dos alunos onde um respeita o outro, independente de cor ou raça”.

 

A aluna Juliana Sturn participou da peça e fala o quanto adquiriu conhecimento com isso. “Na peça, eu fiz o papel da árvore que simboliza as pessoas que sofrem preconceito. Todas as pessoas que maltrataram a árvore são as pessoas que cometem bullying então a planta quebrava, caía, e ia se machucando por dentro. Depois, a Rebeca, que fez o papel da princesa, foi regando a planta como se estivesse levantando a sua autoestima. O que eu levo pra minha vida é o respeito a todos, o amor e a harmonia, pois todos somos iguais”, destacou.

A Escola Cláudio Moacyr realizou dois dias de atividades, que contou com a palestra do Professor Marcelo  sobre a história do Brasil e a vinda dos negros, e depois com o Mestre Brasília e mestre Nagô falando sobre a história da capoeira. Logo após, os alunos participaram de uma roda de capoeira; oficina de turbante com a comunidade quilombola de Búzios e o desfile para eleger a beleza negra feminina e masculina da escola.

 

Texto e fotos: Julya Costa